Renováveis

Universidades: Cursos de energia continuam a privilegiar fósseis em detrimento de renováveis

A incorporação de energias renováveis no cabaz energético, desde a solar fotovoltaica à eólica, continua a crescer por todo o mundo, e em particular em Portugal.

No entanto, a oferta formativa ao nível do ensino superior parece não acompanhar ainda a transição energética em curso. São as conclusões do estudo “O fracasso da descarbonização do sistema global de ensino no domínio da energia”, conduzido pelo Instituto Norueguês de Assuntos Internacionais.

Leia também: Portugal: Renováveis podem valer tanto quanto o turismo, diz APREN

Segundo dados recolhidos junto de 18 400 universidades que oferecem formação específica no âmbito da energia em 196 países, 68% dos diplomas do ensino da energia a nível mundial focam-se em combustíveis fósseis e apenas 32% em energias renováveis.

Além disso, 546 universidades têm faculdades e/ou cursos dedicados aos combustíveis fósseis, enquanto apenas 247 têm faculdades e/ou cursos centrados em fontes de energia limpa.

Os investigadores Roman Vakulchuk e Indra Overland, que conduziram o estudo, sublinham que as instituições de ensino superior não estão a conseguir acompanhar o ritmo da procura de qualificações na área das renováveis, o que poderá traduzir-se em “conjuntos de competências irrecuperáveis devido a uma (má) educação”.

Leia também: Sabe quantos empregos geram as energias renováveis? (Só a energia solar é responsável por mais de um terço)

A oferta de formação por parte das universidades também não segue ainda o ritmo do mercado de trabalho mundial, que apresenta uma empregabilidade cada vez maior e diversificada no setor das energias renováveis.

Além desse desfasamento, os autores identificam diferenças entre o setor privado e o público, destacando que as universidades privadas têm sido “ligeiramente mais ativas” do que as públicas nos cursos ministrados em torno das renováveis.

Fonte: Jornal de Negócios

Sabia que as renováveis permitiram poupar uma média de 1.600 euros aos consumidores domésticos em 2022? A aposta em painéis solares fotovoltaicos é um investimento de retorno garantido. Fale connosco!

Simulação de orçamento A Mais Casa

Crédito da foto: MD Duran/Unsplash

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This field is required.

This field is required.